Trump quer dificultar visto e residência para imigrantes com deficiência

Proposta alteraria a forma como imigrantes são avaliados e o uso ou a potencial necessidade de uso, de serviços públicos relacionados a deficiência seriam considerados como “fatores negativos”.

A administração Trump está se movimentando para tornar mais difícil para os imigrantes com deficiência e suas famílias obter um visto ou obter residência permanente nos Estados Unidos.

Uma proposta dos Serviços de Imigração e Cidadania dos EUA, parte do Departamento de Segurança Interna, alteraria a forma como os imigrantes são avaliados, na medida em que buscam o direito à residência permanente – o passo antes da cidadania. O uso, ou a necessidade de uso, de serviços públicos por imigrantes ou seus familiares são considerados “fatores negativos que serão altamente ponderados” no documento preliminar.

Alguns dos exemplos citados como negativos incluem condições médicas de alto custo e usos excessivo de serviços sociais, como assistência alimentar, Medicaid (serviço social de saúde, algo similar ao SUS), desemprego e benefícios por incapacidade. A categoria “transtornos mentais” está em uma lista das cinco condições de saúde mais caras contidas no projeto de regulamentação.

Grupos de defesa dos direitos das pessoas com deficiência levantaram preocupações sobre as mudanças propostas e disseram que, embora a proposta ainda não tenha sido adotada, ela já está causando impacto na comunidade de pessoas com deficiência.

“As pessoas estão com muito medo”, disse Michelle Garcia, organizadora da comunidade latina da Access Living, uma organização de defesa da pessoa com deficiência baseada em Chicago. “Eles têm medo de ir a um hospital ou obter apoio e serviços”, porque isso pode afetar negativamente o status de imigração.

Garcia disse que trabalha com clientes imigrantes que têm filhos com deficiências que são cidadãos americanos. No entanto, eles não estão procurando serviços para seus filhos, por medo de que isso possa levar à sua própria deportação ou contar contra eles em seus esforços para permanecer no país.

“As pessoas já estão sendo informadas de que, se o filho procurar serviços, então, como pais, talvez não consigam consertar seu status (de residência) mais tarde”, disse Garcia.

De acordo com o documento preliminar, o objetivo das mudanças propostas seria garantir que aqueles que buscam um visto ou residência sejam auto-suficientes e menos propensos a usar os serviços públicos. Aqueles que podem precisar de tais serviços são definidos como um “encargo público” na proposta. As mudanças propostas afetariam principalmente os imigrantes que estão solicitando um green card por meio de uma petição baseada na família.

“Esta regra terá um impacto desproporcional e discriminatório sobre as pessoas com deficiência”, disse Julia Bascom, diretora executiva da Autistic Self Advocacy Network, em um comunicado. “A deficiência ou a necessidade de apoios e serviços nunca devem afetar o status de imigração de alguém”.

A proposta procura atualizar as diretrizes federais existentes que estão em vigor desde 1999, disse Gabrielle Lessard, advogada sênior do National Immigration Law Center.

Essa orientação só considerou dois benefícios como negativos, ela disse: assistência em dinheiro e cuidados de hospitalização a longo prazo. Os regulamentos propostos expandem essa lista para uma ampla gama de serviços sociais, incluindo a maioria dos serviços de saúde financiados pelo governo, disse Lessard.

“Todos deveriam se preocupar com isso”, disse Lessard. “Isso é pedir às pessoas que façam escolhas cruéis entre obter assistência com saúde e nutrição e poderem se juntar aos membros da família.”

Uma porta-voz do Departamento de Serviços de Cidadania e Imigração do DHS disse que não poderia comentar sobre a regra proposta porque o processo de regulamentação não está completo. Ela observou que a regra proposta será publicada em breve no Registro Federal e os comentários públicos são encorajados.

Ao mesmo tempo em que os Estados Unidos estão buscando essa mudança, o Canadá está se movendo na direção oposta. Durante décadas, o governo canadense estabeleceu regras que permitiram que o governo rejeitasse os pedidos de residente permanente de pessoas com deficiências ou condições médicas que provavelmente usariam serviços sociais financiados pelo governo ou com membros da família que se enquadram nessa categoria.

O governo canadense anunciou em 16 de abril que atualizará sua definição de serviços sociais para fins de imigração para excluir idiomas referentes à educação especial, serviços de reabilitação social e vocacional e serviços de apoio pessoal como serviços que permitiriam ao governo rejeitar uma petição de residência permanente.

As mudanças “são um passo importante para garantir que nosso sistema de imigração inclua pessoas com deficiência e reflete os valores dos canadenses”, disse Ahmed Hussen, ministro da Imigração, Refugiados e Cidadania do país, em um comunicado.

Fonte: DisabilityScoop
Por: Michelle R. Davis
Créditos imagem: arquivo Santa Causa.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s